A STET está de férias!

Carlos Lobo_the dew of little things

A STET vai de férias até Setembro!

Voltamos com novidades para a rentrée a 8 de Setembro

The Dew of little Things
Carlos Lobo
24 x 29,5 cm | 108 pages
63 reproductions en noir et blanc et couleurs
Impression : quadrichromie | relié pleine toile
Sérigraphiée + fer à dorer
Editions LOCO, 2016

Album livro:
https://www.facebook.com/stet.livros.fotografias/photos/?tab=album&album_id=1132877450109055

The Dew of little Things | Carlos Lobo | Editions LOCO, 2016

CARLOS LOBO_Cover

The Dew of little Things
Carlos Lobo
24 x 29,5 cm | 108 pages
63 reproductions en noir et blanc et couleurs
Impression : quadrichromie | relié pleine toile
Sérigraphiée + fer à dorer
Editions LOCO, 2016

« In the sweetness of friendship
let there be laughter,
and sharing of pleasures.
For in the dew of little things
the heart finds its morning
and is refreshed. »
Kahlil Gibran

Este livro resulta de uma viagem realizada ao Líbano em 2011 e apresenta a visão pessoal de um país marcado por uma história de recentes conflitos bélicos. Entre Beirute e Trípoli ele coloca sua câmera com The Dew of little Things. Através destas paisagens marcadas por guerras, ele implanta uma poesia única. Tanto em preto e branco na cor, suas fotografias mostram um mundo entre os dois. O cinzento cimento do conflito desvanece-se, rodeado pelo verde de uma natureza a renascer. Como no poema de Gibran “Pois no orvalho de pequenas coisas o coração encontra sua manhã e frescura.”

https://www.facebook.com/stet.livros.fotografias/photos/?tab=album&album_id=1132877450109055

 

Quem te ensinou? — ninguém | Elvira Leite | Pierrot le fou

Quem te ensinou — ninguém , Elvira Leite_Pierrot le fou

Quem te ensinou? — ninguém
Elvira Leite
Texto de Susana Lourenço Marques
Portuguese/English edition
32 p. | 23 x 16 cm
300 exemplares
Pierrot le fou, 2016

 

Quem te ensinou? — Ninguém, é um fascículo Pierrot le Fou que tem como base a exposição com o mesmo nome, apresentada na FBA.UP de 21 de Abril e 25 de Junho de 2016, com curadoria de Lúcia Almeida Matos e Susana Lourenço Marques. Revisita o projecto de actividades de expressão criativa concebido e concretizado por Elvira Leite envolvendo os moradores do largo de Pena Ventosa, no Bairro da Sé, no Porto, no seguimento da extinção do Serviço Ambulatório de Apoio Local (SAAL), em 1976.

Maria Elvira Vieira Pereira Leite (n. 1936) terminou o curso de Pintura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, em 1964. Apesar do muito precoce sucesso artístico, optou por uma carreira de professora após terminado o Curso de Ciências Pedagógicas. A partir de 1976 dedicou-se também a atividades de animação cultural; foi consultora da UNESCO para o ensino artístico em países de expressão portuguesa; a convite do governo português, planificou e coordenou ações de formação com mulheres emigrantes portuguesas em vários países europeus. Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian para realização de material educativo para a área artística; foi consultora do Museu Nacional de Soares dos Reis, do Centro Regional de Artes Tradicionais e do Serviço Educativo da Fundação de Serralves.

 

A arquitetura moderna foi para o céu | Teófilo Rego | Pierrot le fou, 2016

A arquitetura moderna foi para o céu_ Teófilo Rego _Pierrot le fou
A arquitetura moderna foi para o céu
Teófilo Rego
Texto de Pedro Bandeira
Portuguese/ English edition
32 p. | 230x 16 cm
300 exemplares
Pierrot le fou, 2016
A arquitetura moderna foi para o céu é um fascículo Pierrot le Fou que tem como base o arquivo fotográfico de Teófilo Rego, acolhido pela Fundação Manuel Leão / Casa da Imagem. No âmbito específico da arquitetura, o trabalho de Teófilo Rego (1914 – 1993), documenta um dos mais completos retratos da arquitetura moderna do norte de Portugal, reunindo fotografias das obras de arquitetos, como José Marques da Silva, João Andresen, Januário Godinho, Arnaldo Araújo, Luís Pádua Ramos, José Carlos Loureiro, Alfredo Viana de Lima, Agostinho Ricca ou Rogério de Azevedo.

Modern architecture went to heaven is a fascicle of Pierrot le Fou that used the photographic archive of Teófilo Rego at Fundação Manuel Leão / Casa da Imagem.
The work by Teófilo Rego (1914 – 1993) documents one of the most complete portraits of modern architecture of Northern Portugal, assembling pictures of the works of such architects as José Marques da Silva, João Andresen, Januário Godinho, Arnaldo Araújo, Luís Pádua Ramos, José Carlos Loureiro, Alfredo Viana de Lima, Agostinho Ricca and Rogério de Azevedo.

Casa das Sete Senhoras | Tito Mouraz | Dewi Lewis Publishing

Casa das Sete Senhoras_Tito Mouraz _cover

Casa das Sete Senhoras
Tito Mouraz
Texts: Nuno Crespo & Tito Mouraz
Design: Sérgio Couto
English and Portuguese text
Hardback | 30 cm x 24 cm
108 pages | 55 tritone plates
First Edition: 650 copies
Dewi Lewis Publishing, 2016

Lançamento | Casa das Sete Senhoras | Tito Mouraz | 15 Julho | 18:00h / 21:00h

Casa das Sete Senhoras_Tito Mouraz _11

Lançamento | Casa das Sete Senhoras | Tito Mouraz
6ª feira | 15 Julho | 18:00h / 21:00h
STET  | Rua do Norte, 14- 1º andar (ao Camões)

Evento facebook: https://www.facebook.com/events/1041378215938096/?active_tab=posts 

Casa das Sete Senhoras
“Ainda se diz por aqui que a casa está assombrada.
Na casa do Casal viviam sete senhoras, todas irmãs solteiras. Uma era bruxa.
Em noites de lua cheia, as senhoras, voariam nas suas vestes brancas da varanda para os ramos frondosos do castanheiro, sobranceiros à rua. Daí seduziriam os homens que passassem.
Esta série dá conta de um persistente regresso ao mesmo lugar, para perscrutar as suas diferenças (a lenta desactivação do maneio agricola, a transformação progressiva do território, o envelhecimento…), porém escutar o mesmo mocho, a mesma raposa, as mesmas estórias.
Interessaram-me estas pessoas porque sempre viveram aqui e estão ligadas à terra como as árvores. Falam do tempo, das suas recordações, das perdas… muitas já vestem de preto.
Tal como na lenda, talvez tenha sido a feição mágica e medonha, desta experiência cíclica, o meu maior ferimento: a noite, os fumos, os cadáveres, a lua, a ruína, os sons. Um lugar de afetos, afinal, também nasci aqui.”
Tito Mouraz, Beira-Alta, Portugal, 2015

 

 

EDIT – feira de edições de Lisboa 2016 | 2 / 3 de Julho | 15.00h / 21.00h

GIF_EDIT_2016

EDIT – feira de edições de Lisboa
Organização STET – livros e fotografias
2 / 3 de Julho | Sábado / Domingo | 15.00h / 21.00h
Galeria Monumental | Campo Mártires da Pátria, 101
Entrada Livre

Nesta 2ª edição da EDIT contamos com a presença de: 1359, &: Christophe Daviet-Thery, Abysmo, ATLAS Projectos, Cão Solteiro, Cine Qua Non, Culturgest, Fanzines e Martelos, GHOST, HiHiHi, Homem do Saco, Ideias no escuro, José Aparício Gonçalves, Kunsthalle Lissabon, Monumental – Centro de Artes, Pé de Mosca, Pierrot le fou, Re.vis.ta, Senhora do Monte, Serrote, Sistema Solar, Stolen books, Tipo.pt, The Unknown Books, Under the cover, entre outras.

Haverá também apresentações, debates e lançamentos de livros.

Book talks :
– Sábado| 2 Julho
16.30h naturally de Arne Kaiser / Atlantis de Pedro Ramos
Lançamento do livro naturally de Arne Kaiser + uma conversa sobre o processo de edição destes dois livros
17.30h &: how to make a book – Oriol Vilanova’s new publication
by Alice Dusapin (&: Christophe Daviet-Thery)
18.30h CABEÇAS EM TRÂNSITO: António Olaio + Luis Alegre (Stolen books)
19.30h IMAGEM VIAGEM: Tiago Batista

– Domingo | 3 Julho
16.30h
Complexidade – No limite do (im)possível
David-Alexandre Gueniot, Jorge Loução, Marco Balesteros, Patrícia Almeida (GHOST editions)
18.30h
Fotografias de Lisboa, discursos, instituições e autores (1999-2016)
Conversa pública moderada por Catarina Botelho e Paulo Catrica

Tudo isto no espaço da Monumental com bar e Djing no jardim (D13j59…FiM & Dj Watteau)  da galeria!

Mais informação no evento: https://www.facebook.com/events/1742763366013482/

 

             

Nos Vemos de Joana T. Silva

Nos Vemos _ joana t silva

Nos Vemos
Joana T. Silva
Imagens impressas em serigrafia
Texto impresso digitalmente
15×24 cm | 20 páginas
30 exemplares
Edição de autor, 2016

Nos Vemos é um livro de artista de Joana T. Silva que nos apresenta a sua relação entre as memórias de família em Buenos Aires e sua vivência desta cidade, durante uma viagem recente à Argentina.

http://cargocollective.com/joanatsilva/Nos-Vemos

https://www.facebook.com/stet.livros.fotografias/photos/?tab=album&album_id=1128447397218727

 

Lançamento | Nos Vemos de Joana T. Silva | Bar irreal | 16 Junho | 19.30h

Nos Vemos _ joana t silva

Lançamento: Nos Vemos de Joana T. Silva
5ª feira | 16 Junho | 19.30h
Bar irreal | Rua do Poço dos Negros, 59

Nos Vemos
Joana T. Silva
Imagens impressas em serigrafia
Texto impresso digitalmente
15×24 cm | 20 páginas
30 exemplares
Edição de autor, 2016

http://cargocollective.com/joanatsilva/Nos-Vemos

Mais informação sobre o evento: https://www.facebook.com/events/1771564266445077/?active_tab=posts

Photography and the Left | MNAC – Museu do Chiado | 16 e 17 Junho | 14.30 / 18.30h

Photography and the left_MNAC museu chiado

Esta semana a STET vai estar no MNAC – Museu do Chiado!
Photography and the Left | Fotografia e Sociedade
Organização FCSH/NOVA
16 e 17 Junho | 14.30/18.30h
MNAC-Museu do Chiado (entrada pela Rua Capelo)
Entrada livre

Programa: http://www.museuartecontemporanea.pt/pt/programacao/Fotografia-e-Sociedade

Fotografia e Sociedade

Desde o final do século XIX, com Jacob Rijs e Lewis Hine entre outros, a fotografia tem sido um meio para denunciar injustiças, reivindicar melhores condições de vida e contribuir para as causas revolucionárias. Como consequência natural da sua natureza documental, tornou-se também hoje o meio privilegiado pela arte contemporânea para interrogar o establishment político e social.

Esta conferência procura explorar os vários sentidos  da criação fotográfica como uma arma social e de esquerda ao longo dos séculos XX e XXI, e examinar a relação entre a fotografia documental, as causas humanitárias e os ideais sociais, o compromisso político e de classes, a crítica social e económica. Serão consideradas as práticas fotográficas e sua produção em ambos os campos público e político, pensando especificamente sobre a relação entre as práticas de esquerda e o mainstream, as relações entre arte contemporânea e crítica social, tal como entre arte e propaganda.

A conferência terá lugar nos dias 16 e 17 de Junho de 2016 no Museu Nacional de Arte Contemporânea –  Museu do Chiado em Lisboa e será acompanhada por um programa de projeções.
O ciclo de projeções prolongar-se-á até dia 16 de julho (ver programação em:http://www.museuartecontemporanea.pt/pt/programacao/texto/472)